terça-feira, 21 de janeiro de 2014

TENHO UM TÍTULO

Estou ainda no mês de junho de 1927, e o clímax da História de Toni só vai acontecer em agosto. Escrevi cenas de fúria, de inveja, de ternura, de tristeza e dor. O clímax vai ser uma cena tensa, com tudo isso e mais um pouco, mas será como tempestade: descarregadas as nuvens, ainda que com violência, o sol voltará a brilhar, ou seja, tudo será resolvido, encaminhando para um final feliz ou para um final infeliz, não vou contar. Só o que posso adiantar do final é que será trágico: “que não pode ser de outra forma”.
O clímax e o final da história estão definidos desde antes de eu começar a escrever; desde antes mesmo de eu começar toda a pesquisa prévia (que, para esta história, durou um ano). A decisão de começar a escrever aconteceu justamente porque eu já tinha um clímax e um final que me agradavam. Então essas cenas vêm rolando na minha cabeça pelo menos desde 2010. Agora, que estou mais próxima de escrever o clímax, venho detalhando-o, escolhendo palavras, frases e gestos para expressar o que eu quero. E foi assim que o título da história me veio.
Não, o título não tem a ver com o clímax, simplesmente. Não gosto que títulos que contam o final da história; acho que perde a graça. Mas agora eu já conheço melhor as personagens principais – Toni e Rosa – já sei do que elas gostam, o que valorizam, o que é significativo para o amor deles. Foi elaborando o clímax, e com a história toda na cabeça, que eu me dei conta de um gesto que marca o amor de Toni e Rosa desde a primeira página – e eu botei lá de propósito  e que se faz presente em referência mesmo quando eles estão afastados um do outro: mãos dadas. Então, essa história, que tinha nome de Rosinha, e que eu vinha chamando de História de Toni, agora tem um título de verdade: De mãos dadas. Estou satisfeita com essa solução e, agora que virou título, vou reforçar ainda mais a importância desse gesto ao longo de toda a história.
Os textos antigos do blog ficarão como estão, “sem título”, assim como foi com Não é cor-de-rosa, quando deixou de ser Fábrica. Mas, a partir de agora, tenho um título para me referir a essa história que está me dando tanto trabalho e alegria de escrever.

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

2014, AFINAL

Primeiro dia do ano é propício a um balanço do que aconteceu no ano anterior, e a traçar metas para o ano atual. É o que tenho feito todos os anos, e o que pretendo com este texto também.
2013 foi um ano difícil em termos de resolver a equação “quantidade de coisas a fazer” / “quantidade de tempo disponível”. Este ano de 2014 a situação não deve ficar muito diferente, pois eu continuo envolvida com meus dois “gigantes”: Duarte e Toni. Em relação a Duarte, penso que consigo resolver tudo este ano, com uma linda publicação. Já Toni está mais complicado, pois ainda tem muita, muita coisa para acontecer, então estou chegando à página 600 sem perspectiva de final. Comecei 2013 escrevendo a página 294 e hoje vou completar a página 598, o que significa que, em 2013, eu escrevi 304 páginas, muito mais do que em 2012, quando escrevi apenas 194 páginas. Realmente já tinha percebido que este ano a carga de trabalho foi bem maior...
Por conta dessa falta de tempo, abandonei quase todos os grupos de discussão, só restando o Fórum Escreva Seu Livro, onde ainda vou nem que seja para ver o que estão dizendo meus amigos. Percebi que muitas pessoas usam as comunidades literárias apenas para se promoverem e fazerem propaganda de seus livros e seus blogs, e não para falar de literatura, discutir técnicas e processos – que é o meu interesse, e do pessoal do Escreva Seu Livro. Então me afastei das “comunidades-classificados” para não perder meu raro tempo com o que não me interessa.
Os blogs dos amigos, infelizmente, ficam no final da minha lista de prioridades e, por isso, não sobra tempo para eles. Mas meus favoritos são os meus parceiros, ou os que coloquei na lista de blogs desta página. Em 2013 não tive tempo nem para desenvolver os textos do blog! Em 2012 e 2013 eu me propus e começar a fazer leitura crítica, mas é algo também que a falta de tempo não permitiu.
Então, sem sonhos de grandeza, e esperando colocar o chapéu somente onde minha mão alcança, anuncio minhas metas para 2014:
1)     publicar e lançar Construir a terra, conquistar a vida;
2)     continuar escrevendo A história de Toni (ah, já quase tenho um título para ela. Sabia que o retorno de Rosa à trama me ajudaria nesse ponto);
3)     escrever para o blog mais do que notícias de em que ponto da história estou, e publicar com a regularidade prometida (dias 1, 11 e 21);
4)     continuar conversando sobre literatura com pessoas interessantes (que não estão só no Fórum).

Enquanto isso, Feliz Ano Novo a meus leitores e amigos.

Receba os textos no seu e-mail

Outros textos interessantes

Um pouco sobre mim

Minha foto
Mestre em História e Crítica da Arte pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Dedica-se à literatura desde 1985, escrevendo principalmente romances. É Membro Correspondente da Academia Brasileira de Poesia - Casa Raul de Leoni desde 1998 e Membro Titular da Academia de Letras de Vassouras desde 1999. Publicou oito romances, além de contos e poesias em antologias. Desde junho de 2009 publica em seu blog textos sobre seu processo de criação e escrita, e curiosidades sobre suas histórias. Em 2015, uniu-se a mais 10 escritores e juntos formaram o canal Apologia das Letras, no Youtube, para falar de assuntos relacionados à literatura.

Quer falar comigo? É aqui mesmo.

Nome

E-mail *

Mensagem *

Amigos leitores (e escritores)