domingo, 21 de junho de 2009

MEU MÉTODO

Um dia, eu percebi que tinha um método, que veio se desenvolvendo ao longo do processo de escrita e criação e que obedeço, mesmo com o passar dos anos. Ele é formado por uma série de procedimentos (manias) e organiza as etapas de trabalho.

A) PROCEDIMENTOS

1) só escrevo em papel de rascunho, offset. Originalmente, o tamanho era 33x22 cm (ofício) mas, com o desuso desse tamanho, passei a usar o A4.

2) escrevo a mão, com caneta azul; não faço margens; escrevo uma linha logo abaixo da outra (o que, digitado, seria espaçamento próximo a 1), ocupando toda a superfície do papel.

3) as páginas são numeradas em algarismos arábicos no canto superior esquerdo, e o número é circulado por uma linha.

4) marco a divisão de cenas mas raramente estabeleço a divisão dos capítulos de uma vez. Em geral deixo para fazer isso no final, quando já tenho tudo escrito, e posso deixar todos os capítulos mais ou menos do mesmo tamanho (em geral, os capítulos têm em torno de 10 páginas manuscritas).

5) todos os números no texto são escritos por extenso, mas dias e anos são escritos em numeral.

6) não abrevio as palavras. Siglas são permitidas mas não me lembro de já ter usado uma.

7) os diálogos são indicados por travessão. Procuro ser bem clara ao intercalar fala e narração, separando sempre cada trecho por um travessão.

8) todos os tipos de rasuras, correções, acréscimos e emendas são permitidos desde que as versões anteriores sejam preservadas (história da história). Por isso, ao trocar uma palavra por outra, por exemplo, uso apenas um risco para eliminar a primeira, de forma que ela continue legível, embora marcada como excluída: às vezes eu mudo de idéia e volto à primeira versão.

B) ETAPAS DE TRABALHO

1) criação propriamente dita - caracterização das personagens, desenvolvimento da trama (história com princípio, meio e fim), ambientação básica.

2) registro.

3) pesquisa inicial - caso seja necessário para aprofundar o conhecimento quanto a características das personagens e/ou à ambientação escolhida. No caso de um romance histórico, a pesquisa da época e do local escolhido é fundamental, e já determinou mudança de nome e caracterização das personagens e até mudança do próprio ambiente em que a história se passa, para que a trama seja possível.

4) escrever, criar detalhes, criar cenas.

5) pesquisa complementar, sempre que necessário, durante o processo de escrita.

6) finalização - ao terminar de escrever o livro, leio-o inteiro de uma vez, no menor tempo possível para verificar a coerência das atitudes das personagens. É quando faço a marcação dos capítulos, a partir das cenas já divididas.

7) atualização dos registros com informação de número de páginas e capítulos, cálculo do número de páginas por dia, considerando-a "sobrevivente".

8) a história fica guardada por um ano, amadurecendo.

9) após esse ano de gaveta, releio a história toda de uma vez, no menor espaço de tempo possível e faço a avaliação: vale a pena publicar? Se não, guardo novamente na caixa e atualizo os registros, considerando-a "descartada". Se sim, passo à próxima etapa.

10) eu mesma digito toda a história, pois é quando dou polimento, às vezes mudando uma palavra, às vezes incluindo e retirando falas e cenas inteiras.

11) revisão da digitação (considerando que, depois de tanto ler e reler, os eventuais erros de ortografia e gramática já foram corrigidos).

12) publicação - eu mesma faço a diagramação e a capa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba os textos no seu e-mail

Outros textos interessantes

Um pouco sobre mim

Minha foto
Mestre em História e Crítica da Arte pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Dedica-se à literatura desde 1985, escrevendo principalmente romances. É Membro Correspondente da Academia Brasileira de Poesia - Casa Raul de Leoni desde 1998 e Membro Titular da Academia de Letras de Vassouras desde 1999. Publicou oito romances, além de contos e poesias em antologias. Desde junho de 2009 publica em seu blog textos sobre seu processo de criação e escrita, e curiosidades sobre suas histórias. Em 2015, uniu-se a mais 10 escritores e juntos formaram o canal Apologia das Letras, no Youtube, para falar de assuntos relacionados à literatura.

Quer falar comigo? É aqui mesmo.

Nome

E-mail *

Mensagem *

Amigos leitores (e escritores)